quarta-feira, 25 de maio de 2011

Desabafando...


Esses dias me perguntaram se sinto muita falta da minha mãe, a resposta é óbvia, é claro que sinto! Sinto todos os dias e guardo muitas lembranças que me ajudam e ainda me ensinam muito no dia-a-dia. Herdei vários traços dela, uns muito nítidos, outros que talvez só uma relação de mãe e filha permita reconhecer. Às vezes me pego falando como ela, quando não sou eu, quem está por perto percebe e me alerta sobre isso sorrindo... Eu sempre sorrio também, sinto orgulho e penso que se eu for só metade do que ela foi, serei uma grande mulher.

Bem, mas o post de hoje não é para a minha mãe, mas sobre uma característica comum entre nós. Ela tinha horror  à injustiça, eu tenho uma repulsa que vez ou outra me faz até perder a razão. Isso não faz de mim alguém 100 % justa e como já disse, nem sempre tenho razão, mas penso que o mínimo de senso de justiça é válido. É aquela velha historinha de "não faço aos outros o que eu não gostaria que fizessem comigo". Tão simples! E ao mesmo tempo, cada vez mais raro! Já parou para pensar que praticamente em todos o casos de injustiça, a pessoa age de tal forma, para se dar bem, ter vantagem, em resumo: são injustos para benefício próprio? Tolos! Desde quando agir de maneira errada, beneficia a vida de alguém?

Tudo isso pode parecer um grande julgamento, mas não é! Eis o nome do blog: Insônias, Impulsos, Desabafos e afins. Estou é desabafando toda a minha repulsa, revolta e falta de paciência: para os egoístas e aportunistas que agem a vida toda sem se lembrar que Tudo o que o homem semear, isso também ceifará.” (Gálatas 6:7).




quinta-feira, 19 de maio de 2011

Gratidão


Os dias vão e o que mais se vê, são olhos sedentos por enxergar um sonho realizado, corações pulsando por uma causa, objetivo, vontade, ou até por um luxo. Não vejo erro em traçar metas, possuir desejo, ou se dedicar ao extremo para concretização de algo. Ao contrário. Penso que a vida seria sem graça se tudo fosse conquistado com um piscar de olhos.

A vida não é fácil, deve ser por isso que tantos se apegam em suas crenças e religiões em momentos de luta e de intercessão pelo o que deseja.  Eu oro, e oro muito pelos meus sonhos, oro por um dia de paz, oro para que não chova quando o meu plano é ir para a praia, oro quando estou tensa, oro quando não consigo pegar no sono, oro, oro e oro. Eis a minha crença, minha confiança, esperança e o que me fortalece em busca da realização das minhas vontades e sonhos. Assim acontece na vida de todos, mesmo que sua confiança esteja em algo ou alguém, ao invés de estar em Deus. - Vale ressaltar, que a intenção não é discutir as diferentes crenças -.

Considero muito triste admitir que as pessoas preocupam-se demais com seus interesses e quando satisfeitos, esquecem algo de extrema importância: agradecer! Agradecer a Deus, a quem lhe incentivou, a quem lhe deu uma oportunidade, a quem quer que seja. De que vale ser forte, determinado e perseverante, se não houver um coração disposto a agradecer? Ser ingrato, é o mesmo que rejeitar quem lhe atendeu e prontamente ajudou. Será que paramos para pensar nisso?

Gostaria de nesse post, expressar toda a gratidão e alegria do meu coração a Deus, por uma bênção recebida e pela misericórdia que sempre me conquistou! Obrigada por me ouvir e me atender, quando o que peço é de fato o melhor para mim!

“Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e não te esqueças de nenhum dos seus benefícios.” - Salmos 103:2

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Laços




Essa semana tive um pesadelo sobre a morte que me fez refletir sobre como está a minha vida, sobre o que realizei e o que ainda quero realizar. Me lembrei de pessoas que amo muito e que hoje não estão mais tão presentes assim, mas que fizeram toda diferença na minha vida. Por coincidência, recebi um recado de uma amiga de infância que esteve comigo em muitos verões, em muitos domingos depois almoço para falar sobre qualquer coisa e simplesmente passar o tempo, vivemos juntas a agonia dos amores não correspondidos na adolescência, o primeiro beijo, o primeiro trabalho, compartilhamos desde peças de roupas ao choro que naquela época parecia ser o maior e mais doloroso do mundo, assim como sorrisos, micos, decepções, muitos sonhos, casamento - o dela, pois permaneço encalhada, rs -   a chegada de uma nova vida, perdas difíceis, frustrações, a volta por cima... Nossa! Muita coisa! Uma vida! E hoje mesmo "distantes", a ligação é a mesma, o amor, o carinho, a torcida pela felicidade uma da outra... Laço! Sim, formamos um laço! E querem saber? Essa amiga-irmã - como nos chamamos desde sempre - é só um exemplo dos laços que foram feitos nesses 23 anos de vida, pois existem muitos outros que me lembro agora com um sorriso cheio de orgulho.

Poderia morrer agora, amanhã, semana que vem ou no próximo ano... Alguns sonhos estariam por realizar, mas os laços estão feitos e são para sempre!


PS: Vejam o vídeo, é lindo!


quarta-feira, 4 de maio de 2011

- Sensações -

A vida é repleta de sensações. Algumas muito boas, outras achamos que jamais vamos sentir, mas nos pegam de surpresa e nos deixam arrasados, existem ainda aquelas pelas quais fazemos até besteira para sentir. Eu diria que as sensações dão um "tempero" à vida, afinal, seria tudo muito igual, muito sem graça se não sentíssemos nada. Pensando nisso, me perguntei quais sensações têm me marcado atualmente. De primeira, me lembrei das incontáveis risadas com os meus amigos, o riso fácil por qualquer piada sem graça... É essa sensação de ter um motivo - por mais bobo que seja - para sorrir, que tem feito toda a diferença em minha vida por esses dias.

Sensação para mim tem que ser intensa, extrema, grandona, forte e todas as palavras do gênero. Assim como o sorriso tem que ser largo, o abraço forte e se a dança for para divertir, que seja a mais ridícula possível! Para que economizar o que é bom? Pensando no quanto as sensações ruins machucam o coração, tenho ainda mais vontade de viver cada sensação que me faz bem como se fosse a última. Hoje acordei assim, querendo sentir o que existe de mais belo, mais legal, mais sincero e por que não mais bobo e pueril?