segunda-feira, 11 de abril de 2011

Sobre o orgulho



Tenho muito e ao mesmo tempo, quase nada.  Quando falo em orgulho, a primeira coisa que penso é minha família, especialmente meu pai e minha mãe. Amo infinitamente, admiro, sinto honra, privilégio, alegria. Está estampado na minha cara, nas minhas atitudes, palavras, etc. Não considero ser diferente disso, é impossível.

Me pergunto até que ponto um orgulho que não esteja acompanhado de admiração é bom. Ou melhor, será que é bom em algum aspecto? Falo agora do orgulho que se relaciona à arrogância, prepotência, que não permite o uso de valores importantes como  o perdão, humildade, compreensão, etc. Muitos ligam esse tipo de orgulho ao amor próprio, mas eu sinceramente discordo. Eu me amo e justamente por isso, não me permito alimentar o que não  acrescenta.

Sou muito de momento, não sei disfarçar sentimentos e não acho justo esconder minha opinião, daí falo mesmo e faço o que tenho vontade de fazer no momento. Muitas vezes me arrependo, então peço desculpa numa boa, com humildade. Pra que usar de orgulho nesse momento? Me ajudaria em que? É desnecessário, em meu ponto de vista. Do mesmo modo, não uso de orgulho quando me pedem desculpa, orgulho eu tenho é da minha educação e do meu coração! Posso perdoar, mesmo que ainda esteja doendo, esqueço brigas, aceitando inclusive ser chamada de boba, porque eu não sei ser outra pessoa, além de Flávia.

2 comentários:

  1. realmente o orgulho é uma coisa que não leva a pessoa a nada. conheço muito bem esse sentimento, pois eu o tenho. nunca devemos rejeitar um perdão ou ter vergonha de pedi-lo. devemos sempre ser nos mesmos, mesmo que, como disse, sejamos tachados pelas outras pessoas.
    ótimo texto.

    ResponderExcluir
  2. Sabias palavras !
    to te seguindo
    Vem comigo ???http://diariodacinderela.blogspot.com/
    Bjs meus

    ResponderExcluir