quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Pedido para 2012


Comecemos da maneira mais clichê possível: Mais um ano se passou e voou!  É ou não é? Parece que essa sensação aumenta a cada ano, né? Acho curioso... Espero que o que crescemos, evoluímos e aprendemos não voe de nossa mente, mas que fique bem guardado e que se recicle pelos próximos anos.

Dito isso, quero comentar sobre os pedidos - sempre e sempre - feitos na hora de encerrar o ano. Saúde, amor, paz, prosperidade, o que mais? Tem quem peça casamento, emprego, rapidez na concretização dos sonhos, dentre milhares de coisas. O fato é que todo final de ano, a esperança se renova e eu sinceramente acho muito bom! Esperança faz bem para qualquer coração! Mas preciso confessar: O que eu peço não é nada do que acabei de citar. É algo que considero de extrema importância, então vou compartilhar. Eu peço é preparo. Preparo para viver o que o destino me trouxer, pois por mais que eu deseje de acordo com meu coração e expectativas, é difícil ter a vida sob controle durante um ano inteeeeeiro. Aprendi que tudo o que nos acontece é necessário. É simples assim. Então que eu esteja preparada para viver o necessário para mim em 2012 da melhor forma possível!

Seja qual for o seu pedido, que tenhas sucesso e paz no coração!

Feliz 2012!!!

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Pausa







Amo ler de tudo, mas se for para escolher, escolho romance. Assim como adoro conversar sobre vários assuntos, mas prefiro os que fazem rir. E quando é para escrever, acho importante variar, mas meu forte é falar do dia-a-dia, do meu, diga-se de passagem. Penso que um montão de gente deve se identificar, passar por situações parecidas ou se imaginar passando por elas, enfim. Eu gosto de escrever sobre mim, tento tomar cuidado às vezes para não exagerar, mas gosto, ponto. Semana passada, acho que escrevi pelo menos uns três textos para postar aqui, todos expressando de alguma forma um sentimento, ou um incômodo, ou uma vontade... E no fim, não postei nenhum deles. Respirei fundo e entendi que talvez seria melhor dar uma pausa, organizar as ideias, repensar opiniões, sentir um pouco melhor e depois, talvez daqui a algum tempo falar, escrever, seja o que for. - Falando em pausa, nesse exato momento, ela se faz necessária para que eu possa atender o Tuca (meu cachorro) que não para de latir na minha janela, rs.

Pausa feita, vamos ao ponto: Parar, pensar melhor, esperar um pouco mais, não ter pressa, dar uma trégua e tudo mais o que tiver esse mesmo sentido, é necessário em muitos momentos de nossa vida. Uma pausa para entender a si mesmo, para digerir, para atender o cachorro - hehe, para ao menos respirar. Eu mereço, você merece. É só uma questão de se tocar e falar para si mesmo: "Opa, preciso de uma pausa e tem que ser agora!", depois ainda aposto num suspiro longo, sabe? Tranquiliza que é uma beleza e ajuda a pôr as coisas no lugar.

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Professor Tempo



Já escrevi algumas vezes sobre o Tempo aqui no blog, gosto de refletir e conversar sobre tudo o que ele provoca na vida das pessoas. De um modo geral, acho que a ansiedade é a mais comentada das sensações que o tempo proporciona, mas não a mais importante, em minha opinião.

Semana passada, postei sobre o aniversário do blog e comentei que quando li coisas que escrevi no passado, percebi o quanto havia mudado. Na mesma semana, Deus me permitiu viver uma experiência que marcou a minha vida. Hoje compreendo que para viver essa experiência, me faltava uma única coisa: tempo. Tempo para aprender, porque o Tempo é o melhor professor que conheço. A lição que ele me deu dessa vez, é que é nada nessa vida é por caso e que o que Deus escreve no livro da nossa vida vai acontecer e todas as forças contribuirão para isso.

Minha mãe dizia que tudo tem o lado positivo e o negativo. Pessoas, decisões, situações, tudo, inclusive o tempo. Já citei aqui a ansiedade - lado negativo - e termino dizendo que o mesmo tempo que demora, que traz saudade, sempre nos reserva lições preciosas. Cabe a nós enxegarmos.

terça-feira, 25 de outubro de 2011

1 ano de blog!




Em outubro do ano passado, achei um blog que fiz quando tinha 17 anos e havia esquecido de desativar. Me diverti com o que estava escrito, vi que havia evoluído, crescido e a realidade era completamente diferente. Nesse mesmo dia, decidi fazer um novo blog e assim comecei me apresentando aqui no dia 10 de Outubro de 2010.

1 ano se passou e relendo algumas postagens, eu novamente percebo que houve evolução, mudança, crescimento, desafios, vitórias, tristezas e graças a Deus, não faltou humor e fé! Hoje quero dizer que compartilhar dos meus pensamentos e - na maioria das vezes - dos meus sentimentos exatamente como eles estão no momento em que escrevo, é maravilhoso! Ainda há muito o que aprender, mas uma lição muito importante eu já aprendi: não ter vergonha de ser quem sou, ao contrário. Não ter vergonha de amar, errar, perder e tantas outras situações que nos acontecem. Compartilhar. Oportunidade que todos têm e poucos usam.

E que venha mais um ano de muitas emoções e experiências compartilhadas!

Deixo um beijo aos que sempre visitam o blog, aos que comentam tão gentilmente, aos queridos que sempre me incentivam a escrever e aos amores que me inspiram. 



quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Riscos



A palavra RISCO, geralmente soa mal para mim. Deve ser porque nunca me falam que corro o risco de que algo muito bom aconteça. O risco é sempre de me decepcionar, me machucar, me arrepender... Não lembro de alguém que tenha chamado a minha atenção para o risco de me surpreender positivamente, me encantar, ser feliz... Mas mesmo assim, risco de coisas maravilhosas acontecerem existem! Nós o deixamos passar toda hora e sequer percebemos.

As pessoas têm uma tendência para o drama, para os horrores deste mundo. Esquecemos de enxergar as boas possiblidades que surgem toda hora. Há o risco de ser feliz! E o corremos todos os dias!

Vamos então combinar de deixar o drama e esse peso de sempre esperar pelo pior das pessoas, da vida... É tempo de se permitir viver em constante risco de alcançar um sorriso, uma surpresa boa, uma bênção. Só não vale esquecer de fazer por onde, certo?

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Por um fio





Por um fio eu não tomei uma decisão que ao que tudo indica, estragaria a minha vida; por um fio eu não pirei; por um fio eu não mandei todo mundo se lascar. Assim acontece na vida de todo ser humano. Hoje ouvi de uma amiga que Deus já me livrou de muita coisa ruim e esse texto - que comecei a escrever antes de conversar com ela - casa tão bem com o que ela disse que não poderia deixar de postá-lo hoje.

Vejo essas situações que não acontecem por um fio como uma segunda chance, um alerta, uma forma de nos moldar, de nos tornar alguém melhor, mas principalmente, um ato de cuidado, atenção e misericóridia de Deus por nós. E pensar que todos os dias muita tragédia não nos acontece por um fio e sequer nos damos conta. Somos muito limitados, frágeis e tolos, pois ainda assim, POR UM FIO não nos esquecemos de todos as segundas chances que tivemos. Pobres de nós...

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Faxina






Sempre ouço dizer que bolsa de mulher é uma loucura, tamanha bagunça. E é mesmo. Na minha bolsa eu deixo acumular nota fiscal de tudo o que vocês possam imaginar, aqueles malditos papeizinhos de cartão, extrato bancário, papel que distribuem na rua, sem falar de remédio para dor, batom, uns dois livros, carteira, celular e outros papéis que sinceramente nem sei mais do que se trata.

Bolsa cheia de coisa inútil é fichinha comparada ao coração de uma mulher e o tanto de entulho que carregamos nele geralmente sem perceber, pois acostumamos com o peso da saudade, da dor de cotovelo, da mágoa, da decepção, dentre mil coisas... A vida é corrida e mulheres têm que ser mães, profissionais de excelência, amigas, conselheiras e trocentas outras funções. Deve ser por isso que os dias vão passando e nem nos damos conta da quantidade de sentimentos e lembranças inúteis que deixamos pesar em nosso coração. Geralmente, só percebemos a entulhada quando algo nos chateia e aí paramos para refletir e xingar muito a pessoa que nos chateou , então vem tudo à tona e de forma inconsciente misturaramos a chateação de agora com aquele calo que nem melhorou e mesmo assim calçamos um salto alto a fim de disfarçar e aí dóóóói que é uma coisa e só nós sabemos o quanto. Foi exatamete assim que me ocorreu um dia desses. E não teve jeito, eu disse para mim mesma: Que comece a faxina!

Estou juntando tudo o que é inútil, o que me atrasa e machuca. Vai ficar um brinco, como diria a minha avó. Depois é só cuidar para que bagunça, eu só carregue mesmo dentro da minha bolsa.

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Defeitos.



É a segunda vez que tento escrever esse texto, o que acabei de deletar estava complexo demais, não gostei. Mas vamos lá! Um dia desses, busquei alguma maneira de expressar que  eu só consigo ser eu mesma, com todas as minhas particularidades, todos os meus medos, sonhos, devaneios, etc, etc, etc, etc, etc... Escrevi isso no facebook e algumas curtiram. Legal. Curtir é tranquilo, ler e achar coerente ou sincero, idem. O problema está em aceitar o outro exatamente como ele é.

Eu não sei bem a impressão que causo - inclusive já escrevi sobre isso aqui -, mas no auge da minha individualidade um tanto maluca, fico triste quando percebo que o fato de ser eu de maneira aberta e sem máscara, decepciona ou magoa. Gostaria que passassem a mão na minha cabeça e me dissessem que é normal errar. Sei que é pedir demais, principalmente porque eu mesma não consigo ser assim quando o defeito em questão é do outro, rs. Mas creio que todos os tipos de relacionamentos, até os familiares, seriam melhores se encarássemos com um pouco mais de paciência e comprensão os defeitos alheios.

É só uma ideia, uma obervação, uma constatação minha. Ah, encerro com vontade de dizer algo, então o farei: Amar alguém e magoá-lo, não só é possível, como é normal. Sejamos então menos exigentes.

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

- A Novela -



Abrir mão do desejo mais pulsante do meu coração, para preservar a minha paz. Será que é difícil? É uma mistura de às vezes me sentir uma completa covarde e às vezes me iludir crendo que estou sendo racional. Misturinha indigesta, diga-se de passagem.

E pensar que agir com o coração é uma coisa que pratico desde que me entendo por gente. E é justamente por ser gente, por ser humana e falha, que não vou me crucificar por estar com medo de perder a minha cabeça tranquila na hora de dormir. Penso, escrevo e falo isso com o coração - bobo - doendo. Então é assim: Troquei a dor de cabeça pela dor no coração... Tipo seis por meia dúzia, sabe?

Eis a minha novela. Poderia ser a próxima das 8, né?

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

O Amor







Meus dias têm sido bem corridos, mas uma coisa não me sai da cabeça: O amor. Estou numa vontade de ler sobre o amor, falar de amor, então por que não escrever sobre o amor? Oohhh, complexidade! E que complexidade, né?

Deus é amor, e posso dizer que de todos os meus amores, Ele é o maior! Meu pai é o meu amorzão, minha vida, meu amigo. Minha mãe é o amor mais intenso e puro que sinto, minha melhor lembrança; Minhas sobrinhas são minhas amadinhas, minha protegidas. Os meus amigos são os gatos e gatas da minha vida e... E não termina aí.

Por muito tempo vivi e senti um amor aos extremos. Extremos mesmo e vou poupá-los dos detalhes - hahaha! Sei lá o que acontece, mas hoje sinto esse mesmo amor de um novo jeito e decidi chamá-lo de amizade, carinho, parceria e quando estou brava, digo que é só consideração... Mas voltando ao assunto, o ponto, a novidade, o que me faz querer falar de amor, ler sobre amor, ouvir música de amor, é um novo - e velho - amor. Digo velho porque inexplicavelmente é assim que sinto, parece mais um reencontro.

Se estou apaixonada, se vou me casar, se isso tudo se trata de uma grande amizade, não importa. Eu amo! Amo muito mesmo! Amooooooo! E precisava desabafar de alguma forma. Bom, tá feito! O próximo passo deve ser subir num palco, gritar na praça ou qualquer coisa do gênero, haha.

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Voltando atrás



Considero muito rara a oportunidade de voltar atrás. Sinceramente não me lembro de nenhuma situação em que quis voltar e tive tempo para isso, tendo em vista a pessoa que sou... Mal penso e já tô falando/fazendo quase que ao mesmo tempo e aí já era.

Talvez o fato de ser assim e pagar a consequência com juros altos, tenha me ensinado alguma coisa. O meu momento - por incrível que pareça e para o meu próprio bem - é de reflexão e calma; muita calma nessa hora, rs.

Meu coração me diz muito, sabe? E eu ouço fácil, fácil esquecendo-me quase sempre de também ouvir uma amiga chamada Razão. Não sei bem o que houve, acredito que seja o tal aprendizado que falei ali em cima, mas nos últimos dias a Razão tem gritado tanto que não ouvír o que ela me diz seria missão impossível. E graças a ela - a Razão - consegui voltar atrás numa decisão e me dar um tempo para refletir melhor. O que custa, né? Sinceramente tem me custado uma certa incompreensão, mas isso é um outro assunto, talvez um outro post...

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

A primeira impressão







Penso que a primeira impressão não fica! Ao menos, não fica por muito tempo, ouuuu não deveria ficar. Porém há casos e casos, né? Determinadas pessoas são mesmo tão vazias quanto parecem à primeira vista.

Quem me conhece sabe que tenho umas coisas de "sentir" quando a pessoa não é muito legal, algo que chamo de intuição... Vez ou outra até acerto. Mas devo confessar que já dei o meu braço a torcer, admitindo que estava errada em julgar determinadas pessoas assim num primeiro momento.

Imagino que ao me conhecer, as pessoas pensem mil coisas, menos o que realmente sou, rs. No início de qualquer conversa ou relação, sou tímida, quieta, muito na minha. Pensam que sou antipática, da roça, menos que na verdade, me solto aos poucos, de acordo com o grau de intimidade.

Sendo assim, entendi que é muito bobo julgar alguém  numa primeira impressão. É bobo para a pessoa em questão, mas acima de tudo é uma bobagem com nós mesmos, pois corremos o risco de perder a oportunidade de conhecer de verdade uma grande pessoa. Experimentei abrir mão de pré-julgamentos e dei a mim mesma uma segunda chance. É o que há, indico!

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Feliz por ter dado errado.







Quando passamos por algum problema, logo vem alguém dizendo "Calma, vai dar tudo certo!". Palavras que quase nunca aliviam, rs. Mas além de não aliviar, são incertas, ditas por dizer, afinal, quem pode prever o futuro? Digo mais: quem pode garantir que "dar certo" realmente é o melhor para nós?

Em certos momentos, eu já pensei que o mundo estava desabando - sem exagero, juro - e lembro muito claramente da minha ansiedade, que na verdade, eu chamo até de desespero. Por muito tempo questionei o porquê de não ter dado certo. Eu ainda não sabia que o "dar certo" não era nada além de minha visão limitada do que poderia ser o melhor para minha vida. O que antes gerava mil questionamentos e reclamações, hoje é motivo de felicidade, alívio e gratidão, acredite se quiser. Agradeço por ter dado errado, por não ter se estendido, pois hoje consigo enxergar o mal que tudo aquilo me traria. A vida é engraçada, né? Mais engraçada do que a vida, só nós mesmos... Seres extremamente mutáveis e afobados, metidos a senhores da razão, rs.

É por isso que hoje, não desejo que dê certo ou errado, desejo que o melhor aconteça e pronto. Se quer um conselho, tome este.

quarta-feira, 20 de julho de 2011

A Colheita








Há algum tempo, colhi uma espera muuuuuuuuuuuuito longa, pelo simples - e terrível - fato de não saber reconhecer o valor de determinadas coisas. Com sabedoria, podemos tornar o que colhemos - sendo bom ou ruim - em aprendizado e foi assim que eu fiz.

A estação da colheita novamente chegou para mim. E estou colhendo o MELHOR! O meu coração NUNCA - com toda sinceridade do meu ser - esteve tão grato!

No post dessa semana, não vou me estender, mas gostaria de deixar algo que você pode chamar de dica, conselho, lembrete ou uma frase qualquer:

Viva sem esquecer que o futuro é fruto do que plantamos hoje.

quarta-feira, 13 de julho de 2011

- Sobre Prioridades -








Olhando para trás, me arrependo de muitas coisas. Como todo ser humano, meti os pés pelas mãos inúmeras vezes, errei, desconfiei, não me conformei, insisti, dentre tantas outras falhas que ninguém está livre de cometer. Porém, hoje entendo um pouco melhor que tudo, absolutamente tudo nessa vida, acontece de acordo com o que priorizamos.

Já tive época de priorizar festas, já tive época de priorizar namorado, dinheiro, etc. No final, nenhuma das prioridades corresponderam à minha expectativa, nenhuma me tornou feliz por completo, tampouco preencheu vazios. Levei um bom tempo e me machuquei bastante até conseguir reconhecer isso.

A minha atual prioridade, não é o tema deste post. Esse post é uma reflexão... É importante se dar conta do que tem sido prioridade em nossa vida. 

Bens, festas, pessoas, trabalho e tantas outras coisas, existem para nós gostarmos, admirarmos, respeitarmos e nos dedicarmos. O que verdadeiramente acrescenta, existe para que seja PRIORIDADE em nossa vida.

terça-feira, 5 de julho de 2011

- Insistência X Persistência -



As pessoas de um modo geral, têm dificuldade em se conformar com determinada situação, determinados erros, determinados fins. Entendo completamente. Daí vem a confusão entre insistência e persistência. É muito mais bonito dizer que é persistente do que admitir uma característica que está diretamente ligada à chatice, falta de senso...

Que atire a primeira pedra aquele que nunca insistiu em alguma coisa. Eu já e muito. Como disse, insistir está ligado diretamente com a falta de senso, diria até que de noção. Muitas coisas acontecem em nossas vidas e existem momentos em que é mesmo muito complicado manter o equilíbrio, muita gente "viaja" e muitas coisas perdem o sentido. Se algum dia ouvir de alguém que estás sendo sem noção, que algum alarme apite, meu/minha amigo/a! É o momento de cair em si e entender que insistir quase sempre não gera absolutamente nada, além de feridas que se você não cuidar, te acompanharão para o resto da vida.

Ao invés de insistir no que faz sofrer, que tal persistir no amor próprio? Amar a si mesmo, é um passo importante para saber exatamente a diferença entre insistir x persistir. Aliás, o amor - sem manchas, exageros, ciúme, egoísmo, ou qualquer outra sujeira - é a base para a solução de qualquer problema. Pense nisso!

terça-feira, 28 de junho de 2011

Vai valer a pena!



Uso esse blog para desabafar, expressar sentimentos, opiniões ou simplesmente pelo simples prazer de escrever. Gosto, amo isso aqui! Sempre usei palavras minhas, vindas do meu coração e cheias das minhas manias, erros, acertos. Porém, um dia desses ouvi uma música que dizia exatamente o que eu gostaria, mas talvez não soubesse expressar muito bem. Tenho vivido um tempo de desafios, mudanças, transformações e por isso, tenho que abrir mão de certas coisas. Não sei o que acontecerá amanhã, mas estou em paz e muito confiante. Eis a música - vídeo - que hoje eu deixo falar por mim:







terça-feira, 21 de junho de 2011

- Tempo de Mudanças -








É impressionante como as coisas mudam. Muitas vezes vejo a prioridadade de ontem, se tornar dispensável, vejo fraqueza no que ontem pulsava, o que era intenso, vejo morrer. Esse mundo tão mutável às vezes assusta. Se tivesse que narrar todas as mudanças que me ocorreram, precisaria de muitas e muitas horas, assim como uma excelente memória para não esquecer de nada. Mas sei que muita coisa mudou. Opiniões, preferências, sentimentos, vontades, rotinas, amigos, além de meus cabelos, rs.

Se eu pudesse, teria deixado muita coisa intacta em minha vida, porém reconheço que na maioria das vezes não vejo além e sou incapaz de entender o real propósito de tudo.

Muitas mudanças acontecem  simplesmente por não existir outra saída. É como se algo ou alguém te obrigasse a mudar de lugar, de atitude, ou até de sentimento. Quem não reconhece a necessidade de mudar, sofre as dores de insistir no que não vale a pena.

Eis o motivo para os meus - no momento - não me considerarem confusa ou indecisa. É apenas o tempo de mudanças.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Sobre mim



Sou de família italiana, uma gente que além de branquela, tem o sangue que ferve. Sou intensa herdando os meus, nasci assim e por mais controlada que eu seja- ou tente ser- , não dá para mudar muita coisa. Quando é para amar, amo mesmo! Se é para me emocionar, eu choro sem me esconder! Se é para abraçar, eu abraço sem querer soltar nunca mais! Mas quando eu canso, aí é para se preparar! Se preparar para ouvir a minha voz por um bom tempo num tom elevado, se preparar para minha cara emburrada, para a minha chatice, minhas verdades inquestionáveis - ao menos e principalmente naquele momento -, talvez para o meu sumiço temporário - geralmente não dura mais do que dois dias -, para minhas frases sobre justiça e meus surtos de senhora da razão.

O bom é que tudo é passageiro, estoura, ferve, depois esfria, acalma e a paz volta a reinar. Mas o melhor de tudo isso, é que quem me fez cansar, provavelmente pensará 300 vezes antes de deixar isso aconteça novamente.

E assim vou vivendo... Aprendendo a conviver... Pareço legal, mas xingo quem me cansa, rs.

terça-feira, 7 de junho de 2011

- A Espera -



Esperar não é nem de longe o que mais gosto de fazer, mas tem feito parte da minha vida de um tempo para cá. Além de algumas - inevitáveis - reclamações, nesse tempo de espera venho refletindo bastante. Sempre me considerei privilegiada, pois tenho a bênção de ter uma família que é meu exemplo para tudo; por misericórdia, tenho saúde; acredito que por merecimento, tenho grandes amigos. Do que me queixar? Bom, eu não diria "me queixar", talvez a pergunta ideal seria: O que mais desejar da vida? Desejo grandes coisas, sonho alto, grande e bonito. E já faz algum tempo. Na verdade, eu acho que já faz muito tempo, rs.

Tudo tem um porquê, acredito que a minha espera esteja servindo para me mostrar que mesmo tendo recebido tantas bênçãos, existe muito mais a receber e que eu sou - muito mais do que pensava -responsável pela concretização disso. Confesso que esperar já doeu muito, hoje nem dói tanto, às vezes irrita, mas mais do que tudo, me ensina. Afinal, do que adiantaria a facilidade em conquistar se eu nao soubesse reconhecer o verdadeiro valor do que desejo?

Tudo é e sempre será válido, enquanto houver aprendizado. Amanhã estarei mais próxima da realização do que espero, depois de amanhã ainda mais... Mais próxima, mais serena, mais sábia, mais responsável e finalmente realizada.

quarta-feira, 1 de junho de 2011

O que diz meu coração




Será que você pode ouvir o que diz meu coração? Ele é só amor. Amor teimoso, persistente, mais forte do que eu e do que as minhas vontades. Não está nem aí para o tempo que passou, o que virá, tampouco diminui com as circunstâncias ou se fecha pelas dores.

Eu nego, faço birra, invento desculpas, tento substituir por outro, finjo que nem lembro, mas onde eu vou, esse amor me acompanha. Aconteça o que acontecer, não some, não morre. E quando preciso ser eu, sem qualquer armadura, ou confessar meus medos, reconhecer meus erros, me expor de maneira que me exponho para poucos, é nesse mesmo amor que encontro atenção, apoio, cumplicidade. Amor sofrido, mas tão verdadeiro que não requer nada em troca. Não exige declarações ou loucuras, nem depoimentos... Ele existe, é recíproco, preenche o meu coração e me faz acreditar no que é eterno.


quarta-feira, 25 de maio de 2011

Desabafando...


Esses dias me perguntaram se sinto muita falta da minha mãe, a resposta é óbvia, é claro que sinto! Sinto todos os dias e guardo muitas lembranças que me ajudam e ainda me ensinam muito no dia-a-dia. Herdei vários traços dela, uns muito nítidos, outros que talvez só uma relação de mãe e filha permita reconhecer. Às vezes me pego falando como ela, quando não sou eu, quem está por perto percebe e me alerta sobre isso sorrindo... Eu sempre sorrio também, sinto orgulho e penso que se eu for só metade do que ela foi, serei uma grande mulher.

Bem, mas o post de hoje não é para a minha mãe, mas sobre uma característica comum entre nós. Ela tinha horror  à injustiça, eu tenho uma repulsa que vez ou outra me faz até perder a razão. Isso não faz de mim alguém 100 % justa e como já disse, nem sempre tenho razão, mas penso que o mínimo de senso de justiça é válido. É aquela velha historinha de "não faço aos outros o que eu não gostaria que fizessem comigo". Tão simples! E ao mesmo tempo, cada vez mais raro! Já parou para pensar que praticamente em todos o casos de injustiça, a pessoa age de tal forma, para se dar bem, ter vantagem, em resumo: são injustos para benefício próprio? Tolos! Desde quando agir de maneira errada, beneficia a vida de alguém?

Tudo isso pode parecer um grande julgamento, mas não é! Eis o nome do blog: Insônias, Impulsos, Desabafos e afins. Estou é desabafando toda a minha repulsa, revolta e falta de paciência: para os egoístas e aportunistas que agem a vida toda sem se lembrar que Tudo o que o homem semear, isso também ceifará.” (Gálatas 6:7).




quinta-feira, 19 de maio de 2011

Gratidão


Os dias vão e o que mais se vê, são olhos sedentos por enxergar um sonho realizado, corações pulsando por uma causa, objetivo, vontade, ou até por um luxo. Não vejo erro em traçar metas, possuir desejo, ou se dedicar ao extremo para concretização de algo. Ao contrário. Penso que a vida seria sem graça se tudo fosse conquistado com um piscar de olhos.

A vida não é fácil, deve ser por isso que tantos se apegam em suas crenças e religiões em momentos de luta e de intercessão pelo o que deseja.  Eu oro, e oro muito pelos meus sonhos, oro por um dia de paz, oro para que não chova quando o meu plano é ir para a praia, oro quando estou tensa, oro quando não consigo pegar no sono, oro, oro e oro. Eis a minha crença, minha confiança, esperança e o que me fortalece em busca da realização das minhas vontades e sonhos. Assim acontece na vida de todos, mesmo que sua confiança esteja em algo ou alguém, ao invés de estar em Deus. - Vale ressaltar, que a intenção não é discutir as diferentes crenças -.

Considero muito triste admitir que as pessoas preocupam-se demais com seus interesses e quando satisfeitos, esquecem algo de extrema importância: agradecer! Agradecer a Deus, a quem lhe incentivou, a quem lhe deu uma oportunidade, a quem quer que seja. De que vale ser forte, determinado e perseverante, se não houver um coração disposto a agradecer? Ser ingrato, é o mesmo que rejeitar quem lhe atendeu e prontamente ajudou. Será que paramos para pensar nisso?

Gostaria de nesse post, expressar toda a gratidão e alegria do meu coração a Deus, por uma bênção recebida e pela misericórdia que sempre me conquistou! Obrigada por me ouvir e me atender, quando o que peço é de fato o melhor para mim!

“Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e não te esqueças de nenhum dos seus benefícios.” - Salmos 103:2

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Laços




Essa semana tive um pesadelo sobre a morte que me fez refletir sobre como está a minha vida, sobre o que realizei e o que ainda quero realizar. Me lembrei de pessoas que amo muito e que hoje não estão mais tão presentes assim, mas que fizeram toda diferença na minha vida. Por coincidência, recebi um recado de uma amiga de infância que esteve comigo em muitos verões, em muitos domingos depois almoço para falar sobre qualquer coisa e simplesmente passar o tempo, vivemos juntas a agonia dos amores não correspondidos na adolescência, o primeiro beijo, o primeiro trabalho, compartilhamos desde peças de roupas ao choro que naquela época parecia ser o maior e mais doloroso do mundo, assim como sorrisos, micos, decepções, muitos sonhos, casamento - o dela, pois permaneço encalhada, rs -   a chegada de uma nova vida, perdas difíceis, frustrações, a volta por cima... Nossa! Muita coisa! Uma vida! E hoje mesmo "distantes", a ligação é a mesma, o amor, o carinho, a torcida pela felicidade uma da outra... Laço! Sim, formamos um laço! E querem saber? Essa amiga-irmã - como nos chamamos desde sempre - é só um exemplo dos laços que foram feitos nesses 23 anos de vida, pois existem muitos outros que me lembro agora com um sorriso cheio de orgulho.

Poderia morrer agora, amanhã, semana que vem ou no próximo ano... Alguns sonhos estariam por realizar, mas os laços estão feitos e são para sempre!


PS: Vejam o vídeo, é lindo!


quarta-feira, 4 de maio de 2011

- Sensações -

A vida é repleta de sensações. Algumas muito boas, outras achamos que jamais vamos sentir, mas nos pegam de surpresa e nos deixam arrasados, existem ainda aquelas pelas quais fazemos até besteira para sentir. Eu diria que as sensações dão um "tempero" à vida, afinal, seria tudo muito igual, muito sem graça se não sentíssemos nada. Pensando nisso, me perguntei quais sensações têm me marcado atualmente. De primeira, me lembrei das incontáveis risadas com os meus amigos, o riso fácil por qualquer piada sem graça... É essa sensação de ter um motivo - por mais bobo que seja - para sorrir, que tem feito toda a diferença em minha vida por esses dias.

Sensação para mim tem que ser intensa, extrema, grandona, forte e todas as palavras do gênero. Assim como o sorriso tem que ser largo, o abraço forte e se a dança for para divertir, que seja a mais ridícula possível! Para que economizar o que é bom? Pensando no quanto as sensações ruins machucam o coração, tenho ainda mais vontade de viver cada sensação que me faz bem como se fosse a última. Hoje acordei assim, querendo sentir o que existe de mais belo, mais legal, mais sincero e por que não mais bobo e pueril?

terça-feira, 26 de abril de 2011

Sobre a vida alheia


Sempre ouço alguém dizer sobre aproveitar a vida, músicas dizem "leve a vida leve", "a vida é muito boa", dentre tantas outras frases bonitinhas que tantos usam. Mas por quê a maioria não aplica o que tanto fala em sua própria vida? Tenho total consciência do que de fato pode fazer a diferença em minha vida, sei o que pode somar e o tanto de coisas que podem abstrair. Mas não é por isso que me torno imune ao erro, ou deixo de me enganar, ou até passar dos limites. Aliás, quem nunca passou?

Este post não é uma confissão de pecados - até porque acredito que esteja claro que não sou Deus, portanto peco sempre -, mas um desabafo em relação aos julgamentos que vejo, enquanto a "vida boa" poderia estar sendo aproveitada. Eu inclusive, já cansei de perder tempo com coisas do tipo, mesmo que sem maldade. Acho que passou da hora de - todos nós, de um modo geral - deixarmos detalhes, erros, acertos, perdas e vitórias alheias de lado e olharmos um pouco mais para nossa vida, no sentido de reconhecer nossos próprios erros. Ninguém está livre de nada, eis uma verdade absoluta. Assim como aquela outra verdade que diz que colhemos o que plantamos, que o mundo gira e blá blá blá.

Você toparia trocar a sua hipocrisia e egoísmo por respeito e compreensão? Estou topando hein?! Acho que vai dar certo!

terça-feira, 19 de abril de 2011

Aos bons amigos


Essa semana foi comemorado o dia do amigo e eu só soube, quando o dia estava no fim. Bem, acho que os meus amigos nem se deram conta, pois não recebi nenhuma mensagem ou ligação falando sobre isso. Mas do que importa? Palavras têm o poder de simplesmente dizer, enquanto atitudes provam. Parece frase feita - e é mesmo, rs - mas não deixa ser real.

 Cada amigo, do seu jeitinho, me prova o valor de uma amizade sincera - e por que não "saudível"? hahaha! - Eu diria que parece fácil ser meu amigo... Faço graça direto, imito vozes toscas, digo que amo, beijo, abraço e danço junto. Pareço legal! Mas sou ciumenta, quase sempre acho que tenho razão e para completar, às vezes sumo. Meus amigos devem me xingar muito por isso, mas não desistem de mim... Sempre me recebem com sorrisos e um "E aí, gata!" ou um "Fala, Scáfura!". E é isso que me faz mais feliz, que me torna a bobona que faz graça, mas que principalmente me dá força em todos os momentos dessa minha nada mole vida.

Não vou citar nomes, pois tenho certeza que todos os - verdadeiros - amigos saberão que estão sendo lembrados agora. Eu amo cada um de vocês! E não tem essa de dia do amigo não, nosso dia são todos os dias do ano, pois em todos eles, eu me lembro que posso contar com vocês! Contem comigo também! E saibam que por mais que eu suma vez ou outra, não deixei de me preocupar, me importar e principalmente amá-los.


"Eu estarei lá por vocês!"





segunda-feira, 11 de abril de 2011

Sobre o orgulho



Tenho muito e ao mesmo tempo, quase nada.  Quando falo em orgulho, a primeira coisa que penso é minha família, especialmente meu pai e minha mãe. Amo infinitamente, admiro, sinto honra, privilégio, alegria. Está estampado na minha cara, nas minhas atitudes, palavras, etc. Não considero ser diferente disso, é impossível.

Me pergunto até que ponto um orgulho que não esteja acompanhado de admiração é bom. Ou melhor, será que é bom em algum aspecto? Falo agora do orgulho que se relaciona à arrogância, prepotência, que não permite o uso de valores importantes como  o perdão, humildade, compreensão, etc. Muitos ligam esse tipo de orgulho ao amor próprio, mas eu sinceramente discordo. Eu me amo e justamente por isso, não me permito alimentar o que não  acrescenta.

Sou muito de momento, não sei disfarçar sentimentos e não acho justo esconder minha opinião, daí falo mesmo e faço o que tenho vontade de fazer no momento. Muitas vezes me arrependo, então peço desculpa numa boa, com humildade. Pra que usar de orgulho nesse momento? Me ajudaria em que? É desnecessário, em meu ponto de vista. Do mesmo modo, não uso de orgulho quando me pedem desculpa, orgulho eu tenho é da minha educação e do meu coração! Posso perdoar, mesmo que ainda esteja doendo, esqueço brigas, aceitando inclusive ser chamada de boba, porque eu não sei ser outra pessoa, além de Flávia.

terça-feira, 29 de março de 2011

Fim.

Faço o que posso para evitar a fadiga, fujo de situações chatas e evito o quanto posso me chatear de verdade com algo/alguém. Só que vez ou outra eu perco a corrida rumo ao bem estar, paz e tranquilidade.

Odeio a palavra FIM, odeio os sentimentos que essa situação pode trazer e me viro do avesso para somente mudar, pois da palavra MUDANÇA eu até posso gostar. Por mim, uma tentativa que não deu certo, muda para aprendizado; uma carreira que não deu certo, muda para experiência; uma história que não deu certo, muda para recordação e até um amor que não deu certo, muda para amizade. Bem menos doloroso, né?

Quem dera eu pudesse sempre mudar o que não deu certo, não vingou... O que posso, é estar muito feliz lá na frente, quando descobrir que o fim incrivelmente foi o melhor.

quarta-feira, 23 de março de 2011

Eu tive um sonho...



Com a cabeça à mil e sentindo o coração vazio, assim, exatamente desse jeito, adormeci....

Fui parar em lugares parecidos com outros que já estive antes, era estranho. Lembro de obstáculos, tive medo de cair, mas lembro também que consegui... Consegui e encontrei com alguém que devia ser muito meu amigo. Ele pediu a minha mão e disse que tinha uma surpresa para mim, eu sorri e segui de mãos dadas até uma sala que me parecia muito familiar e lá estava a minha surpresa! Linda! Vibrante! Rosto lindo! Sorrindo para mim e com os braços abertos... Eu me senti criança novamente, abracei forte, muito forte com medo de perdê-la de novo, chorei de soluçar, ao mesmo tempo sorri, disse: "Mãeeeee, eu te amo tanto! Que saudade!" enquanto me sentia protegida pelo amor dela, nosso amor, amor que não se mede.

Depois, acordei. E sigo até agora sem saber se isso foi um presente ou castigo, pois sofro em saber que a vida continua, que tudo está igual e que ela não está aqui.

terça-feira, 15 de março de 2011

Presente!



Já parou para pensar no quanto a presença de determinada pessoa pode ser importante? Uma simples presença pode tornar um problema mais leve, um ambiente mais alegre, uma pessoa mais confiante... O problema é que quase sempre só percebemos e damos valor quando a presença se faz ausente. Muito diferente daquela presença que incomoda, chateia, irrita e que por ironia é sempre notada.

Vez ou outra, tenho mania de dar uma sumida, ficar sozinha, não atender o celular, não entrar no msn, ficar quietinha. Algumas pessoas - quase sempre pessoas amigas - sentem a minha falta, procuram, imaginam que estou na tal fase de ficar na minha e consequentemente, ficam chateados. Normal. Houve um tempo em que isso passava batido pra mim, eu pensava que uns dias ausente não faria nenhuma diferença e pronto, sumia... Pensamento egoísta, eu sei. Acredito que seja normal querer ficar só de vez em quando, mas hoje eu entendo que estar presente na vida de pessoas que nos amam faz muita, aliás, faz toda diferença.

Eu queria a presença de muita gente e não posso ter, infelizmente. Ausência dói, silencia, em alguns casos magoa, em outros casos arrebata de saudade, vontade... Todas essas eu vivo, entendo, sofro e passo raiva. Azar o meu e sorte dos que me querem mais próxima, pois quando me dei conta disso, decidi que é presente que eu quero estar! Quero rir junto, chorar junto, dançar uma valsa, cantar músicas do Belchior, comprar um trident de canela, nadar de roupa, emprestar 1 real, fazer uma tatuagem, pular da ponte, sei lá, quero estar junto. 

Flávia? Presente!


quinta-feira, 10 de março de 2011

Eu mereço?

Ouvi esses dias que eu era a única pessoa que não merecia passar por determinada situação, aí sorri, abaixei a cabeça e logo me distraí com qualquer outra coisa. No dia seguinte, me peguei pensando: "É, eu realmente não mereço..." Mas quem determina se mereço ou não?  Quem está perto de mim, por mais que queria me ver em situação diferente, não pode determinar o que vou viver por merecimento, pode no máximo julgar, como fez essa pessoa amiga.

Acredito muito em consequência, acredito também que tenho participação em tudo o que vivo, afinal, o que escolho fazer, falar e simplesmente pensar, gera consequência no dia, no minuto ou até no segundo seguinte. É tudo culpa minha! Ou quase...

quarta-feira, 2 de março de 2011

Aqui na bolha...



Os dias estão passando e eu sequer me dou conta, estranho isso...

Tenho me preocupado com uma pessoa querida, mas chego ao final do dia e penso: "Poxa, já está tarde e eu mais uma vez não liguei!" Agora mesmo exclamei em pensamento: "Caramba, hoje já é quarta!!" Tem tanta coisa acontecendo em mim, que ando me perdendo do mundo. E isso nem é ruim... Eu precisava mesmo tirar um tempo para mim, para organizar minhas ideias, planos, expectativas, coração.

Sentimentos esfriaram, enquanto novos sentimentos nasceram e eu não vi, simplesmente me peguei sentindo! Palavras totalmente desnecessárias tomaram forma de um mega soco na cara e acreditem: não sairam da minha boca! Mas estão doendo até agora. Bom, paciência. Uma hora passa... Sem falar numa grandiosa expectativa que agora sinceramente não fará diferença, seja lá o que for que aconteça.  Tudo isso e um pouco mais em uma semana, ou menos, sei lá. Estou sem noção do tempo e perdida do mundo, lembram? rs.

O fato é que, aqui, nessa bolha onde eu me encontro, me sinto segura e estou calminha. Por que? Porque estou comigo mesma, ué. E se tem uma coisa que tenho em mim, é confiança! Confio no meu coração e na minha cabecinha que quando o coração não atrapalha, até que pensa legal. Nesses dias, até que eles -coração e cabeça - estão em harmonia.

Bom, tudo pode acontecer, tudo mesmo... E o que eu fizer, será de caso pensado, sem impulso, sem desespero, sem pressa. E o meu maior desejo é: que seja sem arrependimento também.

Beijos, volto já!

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Por livre e espontânea pressão


Já ouvi várias vezes alguém dizer que fez/fará alguma coisa por livre e espontânea pressão, rs. Eu provavelmente já disse também em alguma brincadeira, apesar de nem lembrar, mas essa é uma situação que chama a minha atenção. Por quê alguém faria algo sem estar com vontade? Não entendo bem o motivo que leva a isso, mas consigo entender que a probabilidade de haver um arrependimento é de 99%. Não digo 100%, porque a vida é surpreendente, mas é muito fácil imaginar que fazer algo por pressão vai gerar arrependimento. Esse "algo" pode ter uma variação imensa, mas na maioria dos casos, trata-se de "algo" que vai contra princípios, educação e principalmente consciência. O resultado quase nunca é bom.

É absolutamente normal encontrar opiniões diferentes e eu acho que convivo até que muito bem com isso, me considero flexível, mudo de opinião quando julgo necessário, mas mudar princípios ou fazer algo que venha prejudicar minha tão querida consciência? Não! Aí não!

Vivi certas experiências, muito blá blá blá no meu ouvido, muita pilha e pouca compreensão. Opiniões estão aí para serem expressadas mesmo, podem me considerar uma boba, uma inocente ou até doida. A minha resposta é: nada vale mais que a minha consciência e consequentemente, a minha paz.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Saudade é o nome

Podem me ver como for, onde for, com quem for, eu serei aquela mesma Flávia que ri, abraça, dá a mão, chora fácil, esbarra em quase tudo, observa e que por dentro, explode de saudade. Podem me definir como for, mas a verdade é uma só: eu sou só saudade. E não me vejo diferente disso no futuro. Essa deve ser a minha cruz...

Longe de mim parecer triste, dramática ou deprimida. A razão da minha saudade, jamais me permitiu ser baixo astral. Quem me conhece, conhece também a minha alegria. Mas a minha saudade, só eu conheço. E sinto todo dia, toda hora... Sinto quando acordo e não vejo ninguém, sinto na hora do almoço quando não tem barulho de panela, nem cheiro de comida ficando pronta, sinto quando tô insegura, sinto quando tô lá na praia e me bate aquela vontade de ligar pra casa... Eu queria ligar ouvir aquele "alô", aquela voz que há muito tempo eu não ouço...

Hoje, agora, nesse segundo, eu tô assim, querendo de qualquer jeito ver a minha adorada, que me faz sentir tanta saudade, tanto amor, tanta vontade de ser simplesmente olhada... Mãe.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Reciprocidade

Se eu der um tchau na rua pra alguém e não for correspondida, fico no mínimo morrendo de vergonha. Se der um sorrisão e em troca nem enxergar os dentes da pessoa, vou ficar contaminada com o mau humor ou tristeza do mesmo, imagine então se eu amar e não for amada... Pensando nisso, pergunto-lhes, caros leitores: Existe coisa melhor do que ser correspondido (a)?

Esses dias, encontrei um amigo muito querido  com sua namorada, aí observando os pombinhos com os meus olhos amendoados - hahaha - vi o quanto estavam felizes e reparei que o carinho deles, o olhar apaixonado, a felicidade, tudo, observei que tudo era recíproco. Aí pensei: Hum, essa é a essência. 

Também por esses dias, num momento não muito feliz, vi o quanto uma amizade realmente importa e o valor que tem na minha vida. Dizem que para ter uma noção do valor de uma pessoa, devemos pensar em como seria se a perdêssemos. Bom, eu já sabia o quanto a minha amiga era importante, mas vi o tamanho do meu amor, quando imaginei como seria a minha vida sem ela. Foi aí que percebi o quanto ela merecia a reciprocidade de tudo o que fez por mim, de todos os momentos em que esteve ao meu lado, de toda irmandade.

Costumamos usar de frases feitas quando falamos em relacionamentos - seja ele familiar, profissional, de amizade ou amoroso - mas é tudo tão simples de viver. É dar e receber. Só isso, naturalmente, sem cobranças, simplesmente vivendo a reciprocidade. Experimentei e fui feliz, aliás, estou sendo. Recomendo! :)


quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

"Não acomodar com o que incomoda"


Nos últimos dias, ando meio sem paciência e de cara feia para algumas situações. E aí, já sabem, né? Ops, quem me conhece sabe. Sabe que quando não estou satisfeita, falo, falo, falo e falo. Antes gritava, hoje em dia eu só falo. Observem a evolução, hehehe!

Quando falo, alguns entendem, outros fazem uma cara tão feia quanto a minha, tem ainda quem dê risada de mim. Mas o que constatei foi: Falar - mesmo sendo melhor do que gritar -, não adianta nada! Meu Deus, quanto tempo eu perdi sem me tocar! Quantos ouvidos sofreram com meus gritos e quantas almas pacientes já tiveram que me escutar! Enquanto isso, o que me incomodava, continuava incomodando, às vezes até com mais intensidade.

Resumo os últimos meses em "aprendizado". Tenho aprendido e muito, e eis que quando já estava quase me sentindo uma espertona, eu descubro que preciso me mexer, usar da minha capacidade presenteada por Deus, tomar alguma atitude em relação ao que me incomoda.

A minha chateação com o que não está do meu jeito, andou tirando a minha inspiração, inclusive. Ontem estava pensando em escrever, mas não conseguia ter paciência para arrumar minhas ideias. Daí, enquanto estava no twitter, reclamando justamente disso, vi uma frase que era exatamente o que faltava para a minha ficha cair. Frase do Fernando Anitelli do Teatro Mágico, frase que virou título desse post, frase de efeito, verdadeiramente falando, frase que não sairá da minha cabeça enquanto eu viver: "Não acomodar com o que incomoda."



terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Meta: Sabedoria.

Eu cresci ouvindo que era uma menina inteligente, com facilidade para aprender coisas novas e com notas boas na escola. Ah, mas isso é fácil! Basta dedicar-se e querer de verdade aprender. Difícil mesmo é tirar boas notas nas tantas provas que a vida nos "obriga" a fazer.

Descobri que ter uma sensatez inteligente (quase) sempre, faz parte da minha personalidade, que ter esperteza em algumas situações, igualmente faz parte de quem sou; mas que viver e ao mesmo tempo ser sábia, é difícil pra caramba!

Eu me entrego ao que estou vivendo e os sentimentos do momento - alegria ou euforia ou raiva ou tristeza ou mágoa ou emoção - são tão intensos que quase não me permitem lembrar que, preciso, devo, tenho total necessidade de ser sábia.

Há uns dias atrás, uma euforia, um embalo - até que muito bom -, me fizeram esquecer de ser sábia e por uma bobeira, fui burra e inconsequente. Mas não tão burra a ponto de não enxergar a besteira que fiz.

Hoje estou consciente de que para ser feliz e estar em paz comigo mesma, o primeiro passo é ter sabedoria no pensar, falar e principalmente no agir. Já estou cansada de saber que os meus impulsos só me atrapalham, mas estava faltando a tão falada sabedoria. Eis que agora, ela se tornou a minha meta. E eu? Eu vou conseguir!

Tudo isto provei-o pela sabedoria; eu disse: Sabedoria adquirirei; mas ela ainda estava longe de mim. - Eclesiastes 7:23 -

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Finalmente entendi...






Finalmente entendi que por mais que eu queira, nada é para sempre;

Que não sei nada sobre o amanhã;

Que a inveja quase sempre se fantasia de sorriso;

Que o que dói, ensina;

Que o tempo nem sempre é agora;

Que pensar no futuro, é questão de sobrevivência;

Que julgamentos acontecem toda hora, principalmente quando estou de costas;

Que amigos são imperfeitos, mas capazes de fazer a diferença quando mais preciso;

Que com o grito, não ganho nada além de dor;

Que o tempo voa e que amar é pra hoje;

Que a minha família sou eu, assim como eu sou a minha família;

Que aconteça o que acontecer, Deus sempre vai apostar em mim;

Que em algumas situações, menos é mais.

Que perder ontem, é ganhar honra em dobro hoje;

Que o livre arbítrio tem um preço e o quanto se paga, só depende de mim;

Entendi que entender é uma escolha.


"A paz não pode ser mantida à força. Somente pode ser atingida pelo entendimento."
- Albert Einstein -


terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Limite


A maioria de nós termina o ano fazendo reflexões, traçando metas e fazendo promessas. Comigo não foi diferente. Mas só depois que 2011 chegou, que eu me dei conta de algo muito importante que preciso aplicar em todas as áreas da minha vida. Algumas menos, outras mais...

Infelizmente - ou felizmente, tenho lembranças más, que de alguma forma provocam reações e sentimentos em mim. Existe uma frase que é muito certa e diz: "A verdade sempre aparece". Passaram-se quase 2 anos e eu descobri um detalhe - muito importante de uma verdade mal contada e o pior: foi mal contada por pessoas que gosto bastante. Ah, mas isso não vai me importar não! Estou começando um novo tempo, uma nova história, tenho novas prioridades e o passado não tem nenhuma utilidade a não ser me fazer crescer e evoluir e como pessoa. Sendo assim, refletindo sobre a atitude das pessoas ao meu redor no passado, eu me dei conta de algo extremamente necessário para 2011, 2012, 2013 e toda a minha vida: LIMITE.

Eu sou alguém que não disfarça o que sente, que chora pra todo mundo ver ou que grita de felicidade também pra todo mundo ver. Sou alguém que dificilmente enxerga maldade nos outros, sou impulsiva, exagerada, faladeira... E hoje, vejo o quanto isso me afasta do limite que preciso ter. Mas que bom que vejo. E a partir de agora é assim: a alegria, os sentimentos, a dor, o ciúme, os sonhos, os medos... tudo isso é um segredo meu e de Deus.

Não estou sendo arrogante, é só uma questão de me amar e ser um pouco mais inteligente.