sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Um Lance ou um Romance?

 


Na época em que eu usava aquele site de perguntas e respostas, o Formspring-me, me mandaram essa pergunta mais de 10 vezes e em todas elas, eu como super mulherzinha, super romântica e super sonhadora que sou, respondi sem pensar duas vezes: ROMANCE!

Aliás, é difícil encontrar alguma mulher que responda diferente disso. Nós temos mesmo essa ilusão de querer transformar nossa vida amorosa em conto de fadas. 

A gente percebe que deu uma fantasiada, depois dos primeiros 3 meses de namoro, ou quando a paixão virou um amor de verdade. Aí, já era! Aí tudo dá dor de barriga, tudo stressa, tudo, tudo, tudo te faz pensar em quem você ama. O telefone que não toca, vira teu inimigo; o e-mail que não chega vira teu inimigo, o mundo a sua volta fica feio se o seu amor não está por perto... É uma coisa de doido, gente!

Andei pensando sobre isso... Sobre a verdadeira agonia que é amar alguém. O problema é que mesmo sabendo dessa agonia e ansiedade que tomam conta de nós quando amamos, perdemos a vergonha na cara quando estamos sozinhas e o que mais desejamos é viver o famoso romance e nem lembramos que quase morremos de amor. Meu Deus, como é complicado!

Pensando sobre o assunto, me veio à cabeça a possibilidade de viver só um lance. Uma coisa mais leve, sabe? O famoso ficar sem compromisso. Se curtir, sem amar.

É, eu pensei... pensei... e repensei... E aí me perguntei: Mas e quando estiver chovendo em pleno sábado à noite e eu estiver triste? Putz, nessas horas nada cai melhor do que um amor do lado te fazendo carinho. Ok, eu sou uma boba sentimental. Mas é assim mesmo! Acho que até os homens que se vestem de frios e sérios curtem uma companhia nessas horas. Mas o pior é que não pára por aí. Além das noites frias, também é muito bom ter um amor pra te defender daquela injustiça que te fizeram no trabalho, um amor pra se importar se você tem se alimentado bem, um amor pra te animar, um amor que te cause uma saudade absurda que quase te mata, um amor que você queira cuidar, um amor que você tenha escolhido pra ser o pai/mãe dos seus filhos, um amor, punto e basta. 
Cena do Filme "Romance" com Wagner Moura e Letícia Sabatella
Eu penso que mesmo com toda agonia, sofrimento e entrega que o amor nos causa, vivê-lo é bem melhor que não tê-lo, não sentí-lo. Melhor sofrer por ter, do que sofrer por não ter. De toda forma, sofremos, não tem jeito. Li uma frase que é mais ou menos assim: "Todos nos causam sofrimento, basta saber por quem vale a pena sofrer." E eu acho que é por aí mesmo.

Eu amo, em primeiro lugar porque amar é um mandamento de Deus e Ele não nos fez para vivermos só, depois porque assino embaixo daquela frase do Mário Quintana que diz: "Tão bom morrer de amor e continuar vivendo."

Sendo assim, depois de muito pensar, novamente respondo ao título desse post: RO-MAN-CE.










4 comentários:

  1. Simplesmente tocante este texto. Estou adorando seu blog Flavia.

    Master

    ResponderExcluir
  2. nossa esse texto é muito massa, parabéns pelo blog

    ResponderExcluir