quarta-feira, 9 de maio de 2012

Algo mudou...



Sabe o tipo de coisa que vai além de nossa vontade e até do nosso sentimento? Então. Estou falando da Vida e suas milhares de suspresas. Vai muito além do que possamos planejar para amanhã, depois de amanhã, mês que vem. 

Eu gostaria muito que as coisas acontecessem do meu jeito, mas querer não é o suficiente e não significa que o que espero seja  o melhor para mim. Foi assim que mais uma vez, percebi que alguns planos e  sentimentos que cultivamos não nos levarão a lugar algum e que por mais isso que pareça ruim, é necessário. 

Acabei de ler uma frase da Ana Jácomo que me inspirou a reunir algumas palavras e postar aqui, mas o que consegui foi o que leram acima, afinal, a vida às vezes causa a sensação de que algo está se perdendo e é assim que me sinto. Bom, a Ana disse assim - e tomara que inspire vocês também:

"Não há lugar para onde correr: as mudanças, quando precisam acontecer, sabem como nos encontrar."

 

quinta-feira, 26 de abril de 2012

a. M. o. r


Gosto de escrever assuntos do dia-a-dia, desde detalhes que chamam atenção aos sentimentos mais marcantes, de bater papo, desabafar, compartilhar o que acontece com todo mundo. Mas se quiserem que eu fale mesmo sobre mim, que exponha a parte mais gritante do meu eu, vou falar - mais uma vez - sobre o meu infinito amor.

Há poucos dias terminei de ler um livro que conseguiu arrebatar o meu coração. Li numa fase de sensibilidade extrema, saudade aguda e choro fácil. Bom, e aí quando eu nem tinha mais lágrimas para derramar, chorei por dentro de uma forma que não me lembro ter acontecido antes. 

Amor de verdade não tem fim, não importa o que aconteça, sempre soube, mas o livro dá a paz da comprovação. O maior de todos os meus amores, de vez em quando me coloca em silêncio, com necessidade de estar só, me põe a chorar, a recordar, refletir... E passada essa fase, uma Flávia mais forte e sábia desperta em mim, é SEMPRE assim. Ficaria dias aqui me perdendo nas palavras, mas o que gostaria mesmo de dizer é: todo amor vale a pena, ainda que - por algum tempo - a morte distancie corações.


PS: O livro é "De coração para coração" do Waldo Vieira.


quarta-feira, 14 de março de 2012

Montanha-Russa


É o contentamento que de repente se transforma em cansaço;
Sentir-se completa no minuto que antecede a solidão;
Querer compreender cada vírgula e não conseguir tolerar as reticências;
Esperança que todo dia é tomada por uma razão cruel;
Sonhar muito alto para cair das nuvens e se machucar por completo;
Sentir uma liberdade que ironicamente prende;
Sorrir com os olhos cheios de lágrimas.
Estar na montanha-russa é misturar emoção, euforia e medo. Como faz para não brincar disso?


quinta-feira, 1 de março de 2012

Eu duvido!


Se tem uma frase que me desafia, é: "Eu duvido!". Seja de quem for, como for, quando for. Me desafia a fazer qualquer coisa que não seja permanecer parada. Sinceramente eu diria essa frase a fim de  desafiar muitas questões que me incomodam, mas escolho hoje uma específica. Me sinto cansada. Cansada do presente, eu diria. E o que mais quero é duvidar que este cansaço seja maior do que a vontade de vencer, mudar, ser feliz.

Sentir-se cansado é uma droga! Quem concorda? Por isso hoje acordei duvidando que este cansaço seja maior do que a minha vontade e sobretudo, eu duvido que este cansaço seja maior do que a minha fé!

Dica de amiga: Duvide/desafie hoje o que/quem está te fazendo mal.

Bom diaaa!

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Pessoas, qualidades e defeitos.


Aprendi com a minha mãe a valorizar as qualidades de uma pessoa principalmente quando um defeito dela me incomoda. Acho que é uma maneira sábia de aceitar que todo mundo vai errar, mas que também haverão acertos. Não me esqueço dessa lição, então tomei cuidado para encontrar uma palavra certinha que defina o que vem acontecendo comigo por esses dias. É impaciência. Difícil lidar com tanta bobeira, falsidade, vacilo, estupidez e tudo mais que o ser humano tem de sobra, inclusive eu.

Ok, não devo julgar. Ok, sou imperfeita como todo mundo. Mas estou no meu direito de sentir, mesmo que seja irritação.

Peço que Deus me ajude a enxergar as qualidades, aliás, que Deus me dê a qualidade de ser tolerante.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Contentamento



Diante da sua realidade, você se considera feliz?

Penso que a resposta - verdadeira - para esta pergunta é complexa, assim como extremamente mutável. Funciona assim com a maioria das pessoas: Algo bom acontece e nos consideramos pessoas abençoadas, iluminadas e felizes. Mas aí se na mesma semana alguma coisa desanda, já era! Passamos de criaturas sorridentes para pobres, coitados e sofredores. Não é exagero, é a realidade.

Essa variação de humor, de pensamento e de opinião acontece com qualquer um, já aconteceu comigo e não estou livre de que aconteça novamente. O ser humano age por emoção quase que a todo instante, esquecendo-se de parar e tentar compreender o que acontece. Eu vivo dizendo que nada é por acaso e vou morrer dizendo, provavelmente. Tudo o que acontece, antes de ser bom ou ruim, é NECESSÁRIO. Basta aceitar e tirar o melhor disso. Aí sim o contentamento achará espaço em nosso coração.

A minha realidade, por mais que não esteja exatamente como eu gostaria e sonho, é necessária. Existe um propósito para ser assim e eu entendi que o contentamento vem acompanhado de paz e tranquilidade. Deus é bom! Eu vejo isso muito claramente, tanto que não pude deixar de compartilhar. Hoje vou terminar com uma frase de um autor que além de desconhecido, é muito sábio:
"O segredo do contentamento é você perceber que tem mais do que a maioria tem e muito mais do que merece."
 
 

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

- Sobre Sentimentos -



Sentimento, principalmente quando é bom, nos deixa com vontade de anunciar aos quatro cantos o seu tamanho, sua beleza, importância, etc, etc, etc... Vai dizer que nunca esteve tomado por um sentimento tão forte que saiu anunciando por aí? Acontece com todo mundo, todos os dias.

Falar sobre os nossos sentimentos pode ser uma alegria, uma emoção e quando o sentimento não é dos melhores, pode ser inclusive um conforto, um alívio e mais um monte de sensações, mas também pode ser perigoso. Ninguém, nem mesmo o nosso melhor amigo,  compreenderá exatamente o que se passa no nosso coração, pois o que sentimos é individualidade nossa. Falar muito abertamente sobre, é um risco de frustração que corremos, pois o outro - por mais que se esforce - não saberá como é, nem o tamanho, nem o porquê.

Óbvio que compartilhar é importante e muito válido e eu o faço sempre, mas uma coisa é certa: os meus sentimentos me pertencem e não há necessidade de gritar aos quatro ventos, simplesmente porque quando é verdadeiro, ele é NOTADO, sem precisar que uma palavra sequer seja anunciada. É aquela história de viver mais e falar menos, que aliás, tem dado super certo comigo. ;)